Desmistificando Papua Nova Guiné

Sabe aqueles lugares que nunca imaginamos conhecer na vida? Eu via as fotos do Sebastião Salgado e Jimmy Nelson de Papua Nova Guiné, mas achava que uma viagem pra lá era totalmente inatingível. Pra ser bem sincera, quando ouvi falar no país até tive que abrir o atlas Google Maps pra conferir onde é que ele ficava! E sei que muita gente também fica nessa dúvida quando falo de lá, então já aviso que o país faz divisa com uma das ilhas da Indonésia e fica na Oceania :D

Pensando nisso de “país inatingível”, eu topei liberar a conta bancária e investir pesado pra viajar com um guia/fotógrafo experiente. Valeu cada centavo do que eu paguei pela experiência, mas logo na hora de vir embora já tinha percebido que poderia ter feito a mesma viagem com metade do valor (ou menos) que eu tinha pago à empresa. E sem passar aperto!

Então aqui vão todas as dicas para quem quiser se aventurar no festival do ano que vem, que vai acontecer em 15 e 16 de agosto.

O FESTIVAL

O nosso objetivo com a viagem era fotografar o festival de Mount Hagen, em que várias tribos locais apresentam suas vestimentas, danças e músicas típicas. É algo bem turístico mesmo, mas ainda bem desorganizado. O festival se divide em dois “ambientes”: uma área gramada enorme acessível para qualquer pessoa e um campo de rugby fechado para quem tem a credencial. Na área gramada, as tribos chegam, encontram seu espaço e se maquiam, se vestem e começam a dançar. Achei a parte mais legal de fotografar! Já na parte restrita é onde acontecem as “apresentações” em formação e com todas as tribos já prontas.

15093264219_6ece4d4744_b

Não tem nenhum momento “principal”, não existe um palco e não é nada glamuroso. Os moradores ficam por ali vendendo água da torneira em garrafinhas de água mineral (não aconselho beber), Coca Cola e uma bebida laranja colocada na garrafa de Coca. Vendem também frutas e vegetais, além dos artesanatos locais. A estrutura é bem precária, mas eles estão melhorando a cada ano :)

Ah! É legal contar também que atualmente o festival distribui a renda arrecadada com os turistas por igual para todas as tribos. Diz a lenda que nas primeiras edições a comissão organizadora tentou organizar uma competição e dar um prêmio à uma das tribos, mas rolou briga entre todos eles e decidiram acabar com isso. Hoje é tudo bem pacífico!

VISTO

Papua Nova Guiné exige visto dos brasileiros, mas não é possível solicitá-lo no Brasil. Fomos primeiro para Sydney pra resolver isso, mas há algumas outras opções de países que possuem consulados, como Nova Zelândia, Indonésia e Japão (para ver todos, clique aqui).

Em nosso roteiro tínhamos somente dois dias para resolver a questão do visto. Demos entrada com a documentação, mas no dia seguinte o consulado nos explicou que precisariam de pelo menos cinco dias para nos conceder o visto. Segundo nosso guia, no ano passado ele havia conseguido o dele em 24h ali mesmo naquele consulado. No final das contas, fomos orientados a solicitar o visto na entrada do país e correu tudo bem, mas acho mais seguro já ir com o passaporte carimbado, viu?!

Aproveitem para conhecer um país novo (recomendo a Nova Zelândia ou a Austrália) e separem uma semana para todos os trâmites. O visto é de graça <3

visa-1

MOEDA

A moeda nacional é a kina, que estava equivalendo praticamente o mesmo que o real na época da minha viagem. Os centavos de kina são chamados de toea. Eu fiquei meia hora pra entender um preço porque não conhecia essa palavra e o garoto me dizia “50 toea” e não fazia nenhum sentido pra mim.

O ideal é trocar sua moeda logo que chegar no aeroporto de Port Moresby, para evitar que você fique sem dinheiro. Como ficamos praticamente só no hotel, não sei informar se há muitas casas de câmbio disponíveis, mas já garanto que em Mount Hagen não! Leve o suficiente para seus dias por lá (recomendo uns R$100 por dia para alimentação).

LOGÍSTICA

Não há voos diretos de Sydney para Port Moresby, a capital de Papua. Optamos por tomar um voo até Brisbane e de lá seguimos para a capital. São umas 5h de viagem contando os dois voos! Recomendo voar de Air Niugini – o entretenimento de bordo era incrível, a comida gostosa e não tivemos nenhum problema de atendimento em momento algum.

Se você fizer o mesmo trajeto que eu, provavelmente não conseguirá pegar um voo para Mount Hagen, a cidade do festival, no mesmo dia. Nesse caso, pernoite em Port Moresby e pegue um outro voo logo cedo.

O trajeto aeroporto-hotel-aeroporto em ambas as cidades foi feito pelos hotéis em que ficamos hospedados. Em Port Moresby o hotel ficava há 5min do aeroporto, em Mount Hagen já era um pouquinho mais longe, mas também acertamos o transfer direto com o hotel.

HOTÉIS

Port Moresby

Airways Hotel | Foi aqui que me hospedei! É possível fazer a reserva online, pelo Booking e outros sites, além de ter vários tipos de acomodações disponíveis. O hotel é bem luxuoso, o atendimento excelente, tem internet grátis, piscina, quadras de tênis, spa e algumas opções de restaurantes.

Crowne Plaza Hotel | Outra opção muito bem recomendada na cidade, pertencente a uma rede internacional. Considerado um padrão quatro estrelas, o hotel conta também com piscina e academia. O wifi é pago e um pouco carinho. A desvantagem dele é ficar a 20km do aeroporto, o que complica no caso de uma pernoite, né?

Grand Papua Hotel | Mais um hotel luxuoso, com piscina, spa, salão de beleza, restaurantes e por aí vai! Também é possível fazer a reserva online. Ele fica perto do Crowne e, apesar de longe, a vista pro mar é bem bonita. Tem que ver se vale à pena pra pernoite, mas se você for ficar um dia a mais, acho que sim.

Mount Hagen

Hotel Poroman | Foi nesse hotel que ficamos hospedados. As acomodações são bem simples. mas o staff é o mais simpático que existe! Durante o festival tivemos várias programações organizadas por eles, como documentários, caminhadas e um banquete típico. O restaurante oferece também opções simples, mas tudo bem gostoso. O café da manhã é cobrado à parte, mas é bem gostoso.

Highlander Hotel | Me parece ser o melhor hotel da região, uma estrutura mais nova, quartos amplos e bonitos.  Também há mais opções de restaurantes, uma academia e piscinas (seriam muito bem vindas no calor que fazia por lá!).

Rondon Ridge | Pra quem não se importar em ficar mais distante da cidade (40min) e pagar um pouco mais caro, esse hotel é a opção mais luxuosa. A vista é deslumbrante!

15093251979_0710d90506_b

E aí está o básico que você precisa saber para organizar a sua viagem para Papua Nova Guiné. Nos próximos posts eu vou contar mais sobre o país, outros programas fora do festival, minhas impressões e alguns casos engraçados!

Sei que esse foi mais um daqueles posts enormes, mas não queria simplificar um destino tão exótico, ainda mais considerando que não encontrei quase nenhuma informação em português sobre esse país.

Espero que tenha matado a curiosidade de vocês e que pelo menos uma pessoa por aí tenha ficado com vontade de descobrir esse destino tão diferente! <3

ATENÇÃO: Gostaria de deixar claro que ao mencionar que é fácil viajar para Papua Nova Guiné, me refiro somente ao roteiro explicado acima – Port Moresby e Mount Hagen, feitos de avião, com transfers combinados com os hotéis indicados oficialmente. O país é, ainda, considerado violento e perigoso, então qualquer viagem feita em transportes terrestres e para o interior não turístico da ilha deve ser feito com extremo cuidado e respeito aos costumes locais. O ideal é procurar por guias e empresas turísticas que trabalham com esses roteiros para se informar melhor.

Tássia Rabelo

Oi! Meu nome é Tássia, tenho 25 anos e sou aquariana. Minha paixão por viajar veio cedo. Meus primeiros passos foram em uma viagem pra praia e ainda criança aprendi que dormir em uma barraca é normal, ouvir idiomas esquisitos é incrível e conhecer gente diferente é melhor ainda! Sou de Belo Horizonte e apaixonada por Minas Gerais e pelo meu Brasil, mas já morei em alguns outros lugares pelo mundo. Adoro fotografar, ler, fazer projetos manuais, cozinhar, assistir seriados, pesquisar sobre coisas aleatórias, me perder no mundo da internet e ouvir podcasts.

4 Discussion to this post

  1. Marina disse:

    Vendo seu post atual das fotos tive curiosidade em ler esse aqui.
    Que interessante e coragem da sua parte também… nao sei se animaria a me aventurar tanto. hehehe.

  2. Walney disse:

    Olá Tássia,

    Você recomendaria uma ida a PNG por 3 dias com estadia apenas em Port Moresby? Estou organizando uma viagem e passarei pela Austrália. Fiquei curioso após seu post. :)

    Obrigado!

    • Walney, infelizmente eu conheci muito pouco a cidade para recomendar a visita verdadeiramente. Minha viagem pra PNG foi válida pela experiência do festival em Mt. Hagen mais do que tudo! No geral, sou sempre a favor de conhecer lugares novos :D

Comments are closed.